Menu

Já tomei as duas doses da vacina contra COVID, posso me contaminar?

01/07/21

Você quer saber por que mesmo com as duas doses da vacina as pessoas ainda contraem COVID-19? É só ler a nossa matéria que vamos explicar tudo para que você fique por dentro das notícias mais recentes sobre o coronavírus.

A premissa para a vacinação em massa contra a COVID-19 é impedir que as pessoas desenvolvam os casos mais graves da doença.

Nenhuma das vacinas disponíveis atualmente possuem 100% de eficácia. Mesmo sem uma total eficácia, é necessário conscientizar a população sobre a importância da vacinação.

Estando vacinado, você fica protegido de desenvolver os sintomas mais graves que em alguns casos causam até mesmo a morte.

Nos casos daqueles que desenvolvem a doença mesmo depois de tomar as duas doses, não significa que a vacina não funcione.

Para aqueles que acreditam que após tomar a primeira dose já estão imunizados, é bom ir com calma. A eficácia da vacina só se dá em torno de após um mês da aplicação da segunda dose.

E mesmo depois da segunda dose, como nenhuma das vacinas disponíveis possuem 100% de eficácia, você ainda pode contrair alguns sintomas leves da doença.

Quer saber um pouco mais sobre o cenário de vacinação no Brasil e quais as vacinas que estão sendo utilizadas aqui? É só continuar lendo até o final, vamos explicar tudo que você precisa saber.

As vacinas utilizadas contra o COVID-19 no Brasil.

As vacinas utilizadas contra o COVID-19 no Brasil são:

  • Coronavac;
  • AstraZeneca;
  • Pfizer;
  • Janssen

Cada uma das vacinas possuem uma porcentagem de eficiência e todas elas se tornam mais efetivas depois da segunda dose.

  • Coronavac

A Coronavac possui uma eficiência de 50,7%. Parece pouco, a vacina Coronavac impediu que todos os que tomaram a segunda dose desenvolvessem quadros graves da doença.

A vacina da empresa chinesa Sinovac foi a primeira a entrar em utilização no país, juntamente com a vacina AstraZeneca.

Se você contraia o vírus, a vacina Coronavac vai impedir que a doença se torne grave. A possibilidade de morte em todos aqueles que tomaram as duas doses também se torna praticamente nula.

  • AstraZeneca

A AstraZeneca, formulada pela Universidade de Oxford, possui um pouco mais de 70% de eficácia já na primeira dose. Depois de tomar a primeira dose, é recomendado tomar a segunda em um período de até 12 semanas.

Ao tomar a segunda dose no período indicado, a eficácia da AstraZeneca se torna de praticamente 100%. Você estará bem protegido, anulando as chances de contrair sintomas mais graves da doença.

  • Pfizer

No Brasil, temos também em utilização a vacina da Pfizer, da empresa alemã BioNTech. Após as duas doses, a eficiência da vacina é de 91,3%. O tempo que você deve esperar entre uma dose e outra é de 21 dias, aqui no Brasil, o tempo de espera entre uma dose e outra é de três meses.

Não há nada que prove que a eficácia da vacina será menor depois dos 21 dias que constam na bula da vacina. Mesmo que depois de mais tempo do que o indicado, ainda é essencial tomar a segunda dose.

  • Janssen

Por último, temos a vacina Janssen, produzida pela farmacêutica do grupo Johnson&Johnson. A Janssen é a primeira vacina de dose única a ter utilização aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Em testes, a Janssen mostrou uma eficácia de 66% e 85%. A porcentagem de 66% corresponde a chance de proteger quem tomou a vacina nos casos leves e moderados e de 85% para prevenir casos graves.

A vacina Janssen tem uma validade de até três meses se for mantida em temperaturas entre 2 e 8 graus Celsius. Se mantida em temperaturas menores que -20ºC ela pode ser mantida por até dois anos.

Isso faz com que ela seja muito mais eficiente por poder ser mantida por mais tempo. Em testes realizados foi provado que ela funciona até mesmo para a variante da África do Sul, considerada a mais contagiosa.

 

Qual a importância de tomar a vacina contra o coronavírus?

Mesmo sem uma eficácia de 100%, é importante se vacinar, por vários motivos:

  • você evita contrair as formas mais graves da doença;
  • quanto menor o número de pessoas com casos graves, menor o número de internações e óbitos;
  • quanto mais pessoas vacinadas, menores as filas nos hospitais;
  • quanto mais vacinados, menos chances de vacinas perderem a validade e serem jogadas no lixo;
  • mais rápido todo mundo será vacinado por não precisarem fazer várias chamadas para pessoas da mesma idade.

São muitas as vantagens de se tomar a vacina, pois assim cada um contribui um pouco para melhorar a vida de todo mundo.

Com a vacinação em massa é possível até mesmo evitar as mutações do vírus. Quanto mais pessoas vacinadas, menos chances de o vírus sofrer mutações ao longo do tempo.

As empresas responsáveis pelas vacinas podem ter tempo de desenvolver vacinas com maiores porcentagens de eficácia.

Logo, poderemos voltar a viver normalmente, de forma que literalmente todo mundo se beneficiará.

Se chegou a sua idade de se vacinar, não perca tempo, pegue os documentos necessários e tome a vacina.

O fato de que as pessoas ficam divulgando notícias falsas e falando que vacina tal faz isso, vacina tal faz aquilo, está deixando as pessoas assustadas.

Então é comum nos postos de vacinação as pessoas deixarem de tomar a primeira dose por não ser da vacina X ou Y. Mas, é uma preocupação desnecessária, pois cada uma delas tem seus próprios benefícios.

O importante é tomar às duas doses, no caso para as vacinas Coronavac, AstraZeneca e Pfizer, e a dose única da vacina Janssen.

Lembre-se, a vacinação não impede que você transmita a doença. Mesmo após ter tomado as duas doses é essencial que você continue se cuidando para evitar se contaminar.

Dessa forma, contribuímos para que de pouco em pouco, todos estejam imunizados e seguros, vivendo normalmente.

 Acesse o Portal Bunzl Saúde

Siga nossas redes sociais
   /bunlzsaude

- As opiniões aqui expressas são as do autor e não refletem necessariamente as da Bunzl Saúde. A empresa não assume qualquer responsabilidade por erros nas informações aqui contidas, nem por qualquer dano que possa decorrer do uso delas ou da confiança nelas.